CAIAQUES AO MAR

 

Reis Magos – Funchal

 

Sábado, 21 de Agosto de 2004

 

         No dia em que a Capital Madeirense fazia 496 anos desde que foi elevada a cidade, o Ludi Gim Aventura Clube decidiu juntar-se às comemorações, e à sua maneira promoveu uma iniciativa que congregou 40 canoistas no complexo balnear dos Reis Magos pelas 10h00.

Envolvida por uma azáfama pouco habitual, notava-se o espanto dos banhistas presentes nesta praia, face aos corajosos que corresponderam ao desafio deste Clube Aventura.

Após o já habitual palavreado e consequente aquecimento, foi tempo de vencer o calhau de caiaque na mão e deixar a segurança da baia dos Reis Magos. Ao largo desta praia, o mar fazia-se sentir agitado no sobe e desce das embarcações, cuja invulgar estabilidade e cuidados redobrados por parte dos canoistas, evitaram previsíveis capotanços que seriam pouco benéficos ao sucesso do passeio nesta fase tão agitada.

Após pequena aglomeração, acertamos o rumo e surfamos as vagas que nos impeliam a ritmo acelerado em direcção ao Garajau. Transposta a Ponta da Laranjeira, o mar foi mais condescendente com os propósitos deste passeio e surgiam as condições propicias às complacentes paródias de quem estava ali para se divertir…

A recolha de lixo começava a se verificar e as pagaias começavam a chapinhar na água… a cada reagrupamento, aumentava o frenesim e até havia já quem duvidasse da maturidade de alguns participantes que se faziam passar por adultos apenas pela data do BI e fisionomia correspondente… mas é este o espírito que se quer perpetuado, e a todos os que se deixaram levar pela vontade de se divertir, o nosso muito obrigado!

De referir que a moderação foi palavra de ordem e todos respeitavam as directivas da Organização. Ultrapassada a Ponta do Garajau, foi tempo de desembarque (mais acidentado para uns que para outros), reabastecimento, descanso, convívio e apresentações… o palco escolhido foi o calhau deste local que dá o nome a uma das reservas Marinhas da Madeira – Praia do Garajau.

Confortavelmente instalados nos generosos grãos de areia que dão forma à praia, houve quem ao invés do esperado mergulho nas mornas águas, optasse por contribuir para a limpeza de uma mancha de lixo que rapidamente surgiu frente a este local, vinda não se sabe bem de onde!

Zarpando, após 60 minutos de merecido descanso, iniciou-se a etapa que mais contribuiu para que no fim se ficasse com a ideia de que este passeio primou pela boa disposição e ritmo lento, onde a competição centrava-se na recolha de lixo e no conhecimento interactivo de todos os participantes.

Entre muitos capotanços, guerras de água e gargalhadas gerais, fomos nos aproximando do Cais do Lazareto, para voltarmos a pisar terra firme sobre a baia que ladeia este cais.

Era tempo de empurrar os caiaques “rampa” a cima até os encalhar, para depois dirigirmo-nos para as instalações que albergam vigilantes, responsável e muito material, pertencente à Reserva Marinha do Garajau.

Acomodaram-se os canoistas e foi tempo do prelector de serviço e responsável pela Reserva, Sr. Carlos Freitas, explicitar os quês e porquês inerentes a esta área interdita à pesca de qualquer género.

Voltamos à água e ordeiramente fomos calcorreando os quilómetros que faltavam até ao Porto do Funchal… Ao fim da tarde chegamos em “fila indiana” à Rampa de São Lazaro e prontamente nos encaminhamos para as instalações do Clube Naval.

Sobrepostos os caiaques, separados os coletes e pagaias, e acumulado o lixo colectado durante o passeio, foi com naturalidade que a malta se juntou para o sorteio das prometidas prendas e a merecida foto de família.

Esta iniciativa superou todas as expectativas e no final, havia já uma certa nostalgia por se ter deixado em aberto a continuidade deste evento… ao longo destes passeios, foi-se aumentando o companheirismo, o gosto pelo azul e a sensibilidade ambiental de todos quantos nos acompanharam com alguma regularidade…

 

Aqui fica também o agradecimento a todos quantos contribuíram para que este projecto ganhasse pernas para andar, ou neste caso, braços para remar, e referimo-nos obviamente às entidades que nos concederam autorizações e apoios, aos elementos que gratuitamente se ofereceram para colaborar na Organização e a todos os Participantes, que com a sua presença e disponibilidade viabilizaram este evento.

 

Bem Haja a Todos…

 

Saudações Marítimas