IX Raid Madeira Lés a Lés

5, 6 e 7 Setembro de 2008

O Clube Aventura da Madeira realizou no passado fim-de-semana a 9.ª edição do Raid Madeira Lés a Lés, uma actividade de três dias de marcha, com uma extensão aproximada de 100 km, em que participaram 15 de aventureiros para ligar os extremos Oeste e Este da ilha.

Na Sexta-feira, dia 5, os participantes concentraram-se no Funchal e partiram pelas 7h30, rumo ao Farol da Ponta do Pargo, local onde foi iniciada a marcha cerca das 9h30. Foram três horas por caminhos florestais e veredas até chegar à Fonte do Bispo, local para um lanche mais pausado. Seguiu-se a caminhada em direcção à câmara de carga da Central Hidroeléctrica da Calheta, onde a opção foi seguir a levada que bordeja o Paul até à descida para as Rabaças, para seguir a levada até à Encumeada.

A paisagem sobre o vale da Ponta do Sol, os vestígios de Laurissilva (floresta natural da Madeira) existentes ao longo da levada das Rabaças e a grandiosidade do vale Serra de Água na parte final motivaram os participantes para vencer esta dura etapa, com nove horas de marcha, que ainda teve uns chuviscos nesta última parte do percurso.

Para finalizar o dia seguiu-se a montagem das tendas para a pernoita, antes de um jantar retemperador, constituído por uma sopa de legumes e uma massa.

Depois de uma noite de descanso, a manhã Sábado prometia um dia de Sol, que não durou muito. A segunda etapa, a mais curta mas mais desnivelada antevia algumas dificuldades. Partiram cerca das 9h30 da Encumeada, para cumprir os cerca de 20km de caminho, calcorrearam a cordilheira central até ao Pico do Ruivo e num ritmo muito bom ultrapassaram os desníveis do Pico das Torres e a subida para o Pico do Areeiro. Estava feita a parte mais difícil do Raid, depois foi só descer até ao Chão do Areeiro para o merecido descanso e reabastecimento. Uma sopa quentinha e uma apetitosa espetada com batatas e salada. Um excelente tónico, para uma noite bem descansada a 1600 metros de altitude, antes dos 40 km finais.

No Domingo, o nascer do Sol coincidiu com a alvorada, o tempo estava bom, o céu limpo e uma temperatura amena. A última etapa é quase sempre a descer, mas é a mais longa e partir cedo poupa correrias no final. Às 8h30 o grupo fez-se ao caminho. Poiso, Pico do Suna, depois Portela, Funduras, Boca do Risco, Pico do Facho e Ribeira do Natal foram os pontos de passagem até à Vila do Caniçal. Daqui até à Baia d´Abra foram mais uns passos, alguns com os pés algo maçados, outros um pouco cambaleantes, mas todos com confiança para terminar mais este Raid, a primeira travessia integral da Ilha da Madeira divulgada para caminheiros, que teve a sua primeira edição no ano 2000.

No final, a foto da praxe, com os resistentes em frente à Baia d´Abra, na Ponta de São Lourenço, a extremidade Este da Ilha. Para o ano há mais!